| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Contos e Poesias
Desde: 05/07/2004      Publicadas: 3      Atualização: 17/07/2004

Capa |  Contos


 Contos

  17/07/2004
  0 comentário(s)


Minhas explicações

Não sei fazer poesia rimada. O que escrevo me vêem à mente como desejos, sonhos e traduzo o que sinto através de palavras.

Minhas explicaçõesNão sei fazer poesia rimada. O que escrevo me vêem à mente como desejos, sonhos e traduzo o que sinto através de palavras. Não quero que todos entendam o que sinto, mas sim que cada um possa tirar algo para si. Uso a escrita como forma de expansão, pois escrevendo consigo expandir meu ser, e procurar dentro de mim mesma o que sou, fui e o que serei. Sinto que minha estrada é longa e que já venho nela há muito tempo. Às vezes empaco, pois os medos me assaltam e fico um tempo quieta, procurando um lugar seguro para me esconder, mas quando encontro o local, bem o medo já passou e continuo em frente. Sou solitária como quase todo ser humano, encontro no meu vaguear amigos que às vezes por algumas horas dividem suas vidas comigo e outros que as dividem por anos. Mas como o caminho é longo e cada um tem o seu, nos separamos. Não fico triste quando eles se vão, pois sei que um dia, lá na frente nos reencontraremos e mataremos a saudade. Encontro também pessoas das quais gostaria de ficar longe mas sei que devo aprender com elas e então me armo de coragem para conviver. E um belo dia descubro que já tenho um bem-querer por elas também. Não carrego no peito ódio, vingança e quando eles passam pelo meu caminho simplesmente desvio, pois esses sentimentos não fazem bem a ninguém. Assim sou eu e assim quero ser sempre.
  Autor:   La Rosa


  Mais notícias da seção Poesias no caderno Contos
17/07/2004 - Poesias - Amazonas
Amazonas ...
05/07/2004 - Poesias - Projeto Templo Obscurus
Projeto sobre Paganismo...



Capa |  Contos
Busca em

  
3 Notícias